artigo

 

Planejamento sucessório: tranquilidade e segurança para sua família!

 

 

 

 

Quer garantir um futuro seguro e tranquilo para sua família quando você partir?

 

Quer evitar brigas eternas entre herdeiros por divisão de patrimônio?

 

Quer evitar dilapidação e perda de tudo que você construiu?

 

Então saiba como resolver tudo isso de uma vez por todas!

 

Nesta vida só temos certeza de uma coisa: Todo nós um dia iremos passar dessa para uma melhor!

 

Podemos não nos dar conta disso diante de tantas preocupações, atividades, trabalhos e responsabilidades do dia-a-dia, mas uma hora ou outra isso vai acontecer.

 

Uma das maiores heranças que um pai (ou uma mãe) pode deixar aos filhos é a boa educação, caráter, bons costumes, generosidade, amor ao próximo, exemplo de trabalho e luta para conquistar o que se deseja.

 

Além disso, muitas vezes também são deixados bens materiais (casas, carros, fazendas, aplicações financeiras, seguros de vida, investimentos, empresas) e, se não há qualquer determinação ou orientação em caso de morte, a depender do tamanho da família ou do patrimônio, essa herança pode ser motivo de brigas ou mesmo os bens podem ser dilapidados por herdeiros irresponsáveis!

 

Para evitar tudo isso, pensando em sua família e como você quer os deixar seguros e tranquilos quando você se for, para que possam desfrutar de tudo o que você conquistou, comece a pensar em como será feita a sucessão do seu patrimônio!

 

Para isso, existe a solução através do planejamento sucessório, que garante a proteção patrimonial para seus familiares, além de retirar toda a burocracia, lentidão e brigas de um inventário comum!

 

 

Como Funciona?

 

Basicamente, existem 2 formas de se elaborar um planejamento sucessório:

 

- Através de uma holding familiar;

- Através da partilha em vida.

 

 

 

1)Holding Familiar:

 

Neste caso, será criada uma pessoa jurídica onde os sócios serão os familiares (pais, filhos, etc), cada um com um % correspondente a sua cota social.

 

O capital social da empresa será o patrimônio familiar.

 

Desse modo, além de minimizar a burocracia (não será necessário inventário, as cotas passam automaticamente para os demais herdeiros em caso de morte), há uma blindagem natural do patrimônio, uma vez que os sócios não terão bens registrados em seu nome, mas, somente, cotas sociais.

 

Esta forma também reduz significativamente o custo, uma vez que não haverá pagamento de imposto quando da transmissão das cotas.

 

*Temos um artigo completo sobre o tema, clique aqui e leia!

 

 

 

2) Partilha em vida:

 

Esta é a forma mais comum hoje realizada no Brasil. É uma boa solução para evitar brigas e burocracia na hora da partilha.

 

Neste caso, faz-se toda a apuração dos bens, verifica quem terá direito sobre ele quando chegar a hora (esposa, filhos e mais quem você desejar) e, então, busca-se um equilíbrio, de modo que todos recebam a mesma quantia.

 

É muito importante que sejam observadas as regras de direito sucessório, como por exemplo, a disposição patrimonial, herdeiros necessários, cláusulas de usufruto, impostos, etc.

 

Caso a partilha não obedeça à legislação, poderá ser anulada judicialmente, destruindo todo o planejamento e trabalho realizados.

 

 

Conclusão

 

Portanto, se você ama sua família e quer deixa-los amparados na sua ausência, seja precavido e faça um planejamento sucessório eficaz!

 

Você irá evitar brigas, dilapidação de patrimônio, aproveitadores, custos, tempo e dores de cabeça para os seus familiares poderem desfrutar e continuarem a administrar o patrimônio que você tanto lutou para alcançar.

 

Fale com seu advogado de confiança e considere essa ideia.